Pelo menos cinco palestinianos morreram e outros 10 ficaram feridos em três ataques aéreos do exército israelita sobre o sul da Faixa de Gaza na noite passada. O ataque elevou o número de mortos para 172 e o de feridos para 1.154 desde o início da operação «Limite Protetor», que esta segunda-feira entra no sétimo dia.

Milhares de pessoas estão, desde domingo, a abandonar o norte da Faixa de Gaza depois de as autoridades israelitas terem lançado um aviso de que nas próximas horas poderia começar novo bombardeamento daquela região. Do céu caíram panfletos a avisar que quem não sair corre risco de vida e está a colocar em risco a vida da própria família.

A Reuters descreve a fuga da cidade de Beit Lahiya. A agência de notícias diz que as pessoas convergem para as instalações das Nações Unidas em Gaza e que estão a chegar de várias formas: de burro, de táxi ou de automóvel. Há carroças que transportam colchões, roupas e crianças. A ONU diz que são já 17 mil os palestinianos do norte de Gaza a quem deu refúgio.

Nos ataques aéreos da noite passada, uma criança e os pais foram três das cinco vítimas dos bombardeamentos do exército israelita sobre a cidade de Rafah e o campo de refugiados de Khan Yunes, disse o porta-voz dos serviços de emergência, Ashraf al Qedra, citado pela BBC News.

«Desde o início da agressão militar israelita e os ataques aéreos sobre o nosso povo em Gaza, na terça-feira, 172 palestinianos foram assassinados e 1.154 feridos, destacando-se que mais de 80 dos falecidos eram civis», assinalou o porta-voz.

Entre as vítimas foram identificadas 36 crianças e 32 mulheres, enquanto entre os feridos foram contabilizados 350 menores e mais de 460 mulheres.

As «Brigadas de Ezedin al Qassam», braço armado do Hamas, e outras milícias palestinianas reivindicaram a autoria do disparo de foguetes a regiões e cidades do norte, centro e sul de Israel.

No total, o exército israelita notificou que 130 foguetes tinham sido lançados em direção ao seu território, 100 dos quais caíram e 22 foram intercetados pelo sistema de defesa antimísseis «Cúpula de Ferro».

Foguete disparado do Líbano atinge a Galileia

Em comunicado citado pela agência Efe, o exército israelita indica que um de uma série de foguetes disparados a partir do Líbano em direção a Israel caiu esta noite numa região aberta do mar da Galileia, a norte, sem causar vítimas ou danos.

As forças armadas israelitas notificaram que em resposta à agressão usaram artilharia dirigida ao local de onde procediam os disparos, cuja autoria não se atribuiu a nenhum dos grupos da região.

É o terceiro dia consecutivo em que Israel regista uma agressão deste tipo, depois de dois foguetes atingirem no domingo de madrugada o norte de Nahariya e no sábado a cidade de Metula, a mais a norte de Israel.

Até ao momento, nenhum grupo que opera na região, entre os quais se destaca o Hezbollah, se responsabilizou pelo lançamento, no qual também não foram registadas vítimas.

As Forças Interinas da ONU no Líbano (Finul) foram alertadas sobre o incidente, asseguraram fontes militares.

UE faz pressão para cessar-fogo imediato em Gaza

A União Europeia anunciou, esta segunda-feira, que está em contacto com «as partes na região» para pressionar por um cessar-fogo imediato em Gaza, noticia a Reuters.

«Apelamos a todas as partes para que tenham a máxima contenção, evitem vítimas e voltem à calma. Estamos em contacto com as partes na região para que deem o seu melhor para alcançar um cessar-fogo imediato», disse aos jornalistas a porta-voz da política externa da UE, Maja Kocijancic, sem acrescentar detalhes.

Palestiniano morto por israelitas em confrontos na Cisjordânia