Israel e o Hamas concordam com um cessar-fogo de 72 horas na Faixa de Gaza, anunciaram, esta quinta-feira, os EUA e a ONU. As tréguas humanitárias devem começar às 6:00 (hora de Lisboa) desta sexta-feira.

As tréguas foram anunciadas numa declaração conjunta do secretário de Estado norte-americano, Jonh Kerry, e do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. O comunicado afirma que durante as tréguas «as forças no terreno devem ficar nos lugares», indiciando que o exército israelita não deverá retirar de Gaza.

«Vamos tentar que todas as partes atuem com restrição até que o cessar-fogo comece e que obedeçam aos seus compromissos durante as tréguas», disseram. «Este cessar-fogo é crítico para que se consiga dar aos civis inocente o necessário indulto de violência».



Pouco depois, o Hamas, o grupo armado em Gaza, veio confirmar as tréguas de três dias, dizendo que iria obedecer ao cessar-fogo.

«Reconhecendo uma chamada das Nações Unidas e em consideração à situação do nosso povo, fações da resistência concordaram com uma calma humanitária e mútua de 72 horas que começa às 8:00, na sexta-feira, desde que o outro lado também obedeça», disse o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri, à Reuters.

«Todas as fações palestinianas estão unidas nesta questão», completou.

Na intervenção em Nova Deli, John Kerry referiu que Israel irá prosseguir, durante a trégua de 72 horas, com as operações «defensivas» contra os túneis escavados pelo Hamas. O chefe da diplomacia norte-americana precisou que Israel continuará com as operações «atrás das linhas» definidas durante o conflito.

Segundo o responsável norte-americano, durante a trégua de 72 horas, «os civis de Gaza irão receber a ajuda humanitária que precisam urgentemente e terão a oportunidade de exercer atividades vitais, como enterrar os seus mortos, cuidar dos feridos e reabastecer os bens alimentares».

Durante este período, também deverão ser feitas, acrescentou Kerry, «as reparações necessárias nas infraestruturas de fornecimento de água e de energia».