O Governo chinês defendeu esta quarta-feira que Israel e o Hamas devem responder aos apelos da comunidade internacional e estabelecer um cessar-fogo «imediato» para evitar o aumento do número de vítimas do conflito.

Os últimos números dão conta de mais de 630 mortos, na sua maioria civis palestinianos.

«A China está profundamente preocupada com o número de vítimas», assegurou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hong Lei, em comunicado no qual insiste que ambas as partes ponham fim aos ataques aéreos, terrestres e ao lançamento de morteiros.