A tradição ainda impera na Igreja Católica e não são admitidos padres gays. Apesar da abertura revelada pelo Papa em assuntos delicados, como o divórcio ou os filhos fora do casamento, o conservadorismo ainda se impõe em certas temáticas.

Primeiro despedido e depois suspenso, o reverendo polaco, Krzysztof Charamsa, de 43 anos, que exercia funções no Vaticano, na Congregação para a Doutrina da Fé, foi afastado da sede da Igreja Católica após assumir que era gay e que tinha um namorado.

Com o anúncio, o padre deixou também críticas à posição conservadora da Igreja liderada pelo Papa Francisco em relação à homossexualidade. Afirmações que caíram como brasas em fogo, na véspera de um encontro de Bispos no Vaticano, levando ao seu imediato afastamento.

Recambiado para a sua diocese, o bispo de Gdansk, na Polónia, recomendou a Krzysztof Charamsa que mudasse a sua atitude, lembrando-o das obrigações de um padre. Na quarta-feira, o padre acabou por ser suspenso por tempo indeterminado pela Igreja da Polónia, por não ter mostrado mudanças no seu comportamento.

O padre polaco não pode exercer o sacerdócio nem usar as vestes eclesiásticas. Segundo um comunicado da diocese, citado pela AP, a suspensão pode ser levantada se Krzysztof Charamsa retomar ao caminho dos “verdadeiros ensinamentos da Igreja”.