Mais de 200 escritores, entre os quais Gunter Grass, Salman Rushdie e Jonathan Franzen, assinaram uma carta aberta para denunciarem as leis russas contra a propaganda gay e a blasfémia como contrárias à liberdade de expressão.

A carta foi publicada no diário britânico «The Guardian» esta quinta-feira, véspera do início dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia, e junta-se a outros protestos contra aquelas leis.

A câmara baixa do parlamento russo aprovou em 2013 uma lei que proíbe a propaganda a «relações sexuais não tradicionais» junto de menores, incluindo a distribuição de materiais sobre os direitos dos homossexuais, e uma outra que prevê penas de prisão até três anos para os autores de «ofensa a sentimentos religiosos».