O maquinista do comboio que descarrilou em Santiago de Compostela, na Galiza, em Espanha, recebeu um alerta de «curva iminente», quando falava ao telemóvel com o revisor. A conversa durou um minuto e 40 segundos. O último registo do telefonema é de 11 segundos antes do acidente.

A análise às caixas negras do comboio cujo contecontinua a revelar pormenores do que aconteceu, nos minutos antes da tragédia que roubou a vida a 79 pessoas, no passado dia 24 de Julho.

A imprensa espanhola revela nesta sexta-feira que o maquinista atendeu a chamada telefónica do revisor às 20:39:06 e as composições descarrilaram às 20:41:06. O último registo da conversa de ambos é das 20:40:55.

Após o aviso de curva iminente com limite de 80 km/h, o maquinista terá puxado o travão de emergência. Na altura, a 11 segundos do ponto de embate, o comboio ainda circulava a 199 km/h. Mas no momento em que descarrilou a velocidade já era de 179 km/h.

já depois de sair dos carris, o travão de emergência foi novamente puxado e o comboio acabou por parar quando seguia a 153km/h. Era tarde de mais.