O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, defendeu este sábado que o G20 pode acelerar o crescimento económico nos próximos cinco anos e criar mais empregos, tal como exigido pela sociedade.

«Sim, o nosso mundo pode crescer e, sim, o nosso mundo pode criar os empregos que as pessoas querem», disse Abbott na inauguração da cimeira dos 19 países mais poderosos do mundo e União Europeia em Brisbane, na costa oeste australiana.

O primeiro-ministro australiano reconheceu que a cimeira deve tornar o crescimento débil numa «mensagem de esperança e otimismo», apesar dos «terríveis problemas» no Médio Oriente, no leste da Europa ou na África ocidental.

Também o presidente norte-americano, Barack Obama, deposita no G20 o crescimento da economia mundial, afirmando que os Estados Unidos não podem ser os únicos responsáveis pelo crescimento da economia mundial.

«Nos últimos anos, os Estados Unidos deram emprego a mais pessoas do que todas as economias desenvolvidas juntas. Mas não podemos esperar que os Estados Unidos levem a economia mundial às costas», disse Obama num discurso à margem da cimeira do G20.

«Aqui, em Brisbane, o G20 tem a responsabilidade de agir, de estimular a procura, de investir nas infraestruturas e de criar empregos para as populações dos nossos países», acrescentou.