A Fundação Gulbenkian tenciona reunir em Lisboa académicos chineses de várias áreas para debater o futuro da China e promover «um melhor conhecimento» acerca da nova potência emergente, anunciou em Pequim o presidente da instituição, Artur Santos Silva.

«A nossa função é também contribuir para refletir e debater as grandes questões do nosso tempo», disse Artur Santos Silva à agência Lusa, na terça-feira à noite, no final de uma visita de uma semana à China com a Orquestra Gulbelkian.

Referindo-se especificamente às relações luso-chinesas, Santos Silva salientou que a Fundação Gulbenkian defende «um relacionamento mais estreito na área cultural» e deseja contribuir «para que a China seja melhor conhecida em Portugal e Portugal melhor conhecido na China».