O fundador da Frente Nacional Jean-Marie Le Pen vai renunciar às eleições regionais agendadas para dezembro e abriu caminho para a candidatura da neta Marion Maréchal-Le Pen.

Depois do desentendimento com a filha e líder do partido, Marine Le Pen, Jean-Marie afirmou ao jornal francês «Le Figaro» que não quer causar «danos» ao partido e, por isso, não será candidato na região do sudeste francês de Paca.

«Se devo sacrificar-me em prol do futuro do movimento, não serei aquele que lhe causará danos».


A zanga entre pai e filha começou com as declarações polémicas do fundador do partido sobre o regime nazi, numa entrevista recente. Ao longo dos anos, o patriarca da família Le Pen considerou publicamente que as câmaras de gás nazis eram «um detalhe da história» e agora saiu em defesa de Philippe Pétain, o francês que colaborou com os nazis em 1940. 

Marine Le Pen não gostou das palavras do progenitor e emitiu um comunicado crítico, retirando-lhe o apoio político para as eleições regionais.


Agora, o fundador da Frente Nacional confirma os eu afastamento, mas aponta o nome da neta, Marion Maréchal-Le Pen, como a melhor pessoa para o substituir.

«Se ela aceitasse acho que liderava uma excelente lista de candidatos. Ela é certamente a melhor.»