«Eu e Angela Merkel decidimos tomar uma nova iniciativa. Vamos fazer uma nova proposta para resolver o conflito, que será baseada na integridade do território ucraniano».

De acordo com o chefe do governo francês, Hollande e Merkel trabalharam nesta proposta ao longo de vários dias, com o objetivo de que esta possa servir os interesses de todos.

«Ao longo de vários dias, eu e Angela Merkel trabalhamos numa proposta que possa ser aceite por todos. Agora estamos em guerra e esta guerra pode tornar-se numa guerra total.»

 

«Devido à escalada de violência dos últimos dias, a chanceler e o Presidente Hollande estão a  intensificar os esforços que têm sido realizados ao longo dos últimos meses para encontrar uma solução que acabe com o conflito no leste da Ucrânia.»

O conflito no leste ucraniano já provocou mais de cinco mil mortos. Apesar de ter sido estabelecido um acordo de cessar-fogo em setembro do ano passado, os combates sangrentos entre as tropas ucranianas e os separatistas pró-russos voltaram a assolar as regiões sob o domínio dos rebeldes nas últimas semanas.

O governo de Petro Poroshenko e os separatistas têm trocado várias acusações.

Na conferência de imprensa, Hollande sublinhou ainda que a França não dá o seu aval a uma eventual integração da Ucrânia na NATO. 

A responsável pela pasta das Relações Internacionais da União Europeia, Federica Mogherini, já reagiu a este anúncio, saudando a iniciativa e salientando que a ação vai claramente ao encontro de uma solução política para o conflito.

«A União Europeia apoia todas as iniciativas que pretendem trazer uma solução política ao conflito que decorre no leste da Ucrânia. Os esforços da chanceler Angela Merkel e do Presidente François Hollande vão claramente nesta direção.»

Mogherini afirmou ainda que a União Europeia está unida em relação à utilização de todos os meios possíveis que possam levar ao fim desta crise.