O papa Francisco disse esta segunda-feira que os atos dos jihadistas