O Papa Francisco deixou o apelo este domingo para que os fiéis se juntem a ele no próximo fim de semana para um dia de jejum pela paz na Síria.

Francisco convidou as pessoas de todas as religiões para se juntarem a ele no sábado à noite, na Praça de São Pedro para pedir paz para a Síria, o resto do Oriente Médio e em todo o mundo onde há conflitos.

Declarando «não à guerra», Francisco falou às dezenas de milhares de pessoas se reuniram na Praça este domingo.

O Sumo Pontífice disse que o «mundo precisa ver gestos de paz e ouvir palavras de paz». O Papa acrescentou ainda que só o diálogo, e não a intervenção armada, pode acabar com a guerra civil na Síria, como relata a Associated Press.

A vigília de oração com a duração de cinco horas a decorrer no sábado, dia 7 de setembro, vai durar até meia-noite.

A reação de Francisco aos últimos acontecimentos sobre a questão síria um dia depois da declaração de Barack Obama que se mostrou pronto para um ataque à Síria.

ONU pede aos inspatores urgência no relatório

Ban Ki-moon fez saber que pediu ao chefe da missão de inspetores que foram à Síria recolher eventuais indicios do uso de armas químicas urgência na apresentação do relatório.

Pelo menos 110.371 pessoas foram mortas na Síria desde o início da revolta contra o regime de Bashar al-Assad, em março de 2011, indicou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Um balanço anterior feito pela mesma organização não-governamental a 26 de junho dava conta de 100.191 mortos. A ONU tem referido que já morreram no conflito sírio mais de 100 mil pessoas.

Este novo balanço indica que morreram 40.146 civis, 21.850 combatentes rebeldes e 45.478 membros das forças governamentais, incluindo as milícias que apoiam o regime.