O papa Francisco beatificou 124 católicos, este sábado, em Seul, na presença de centenas de milhares de fiéis, no terceiro dia da sua visita à Coreia do Sul.

O primeiro papa a visitar a Ásia desde 1999 chegou à praça de Gwanghwamun - ligada ao julgamento e execução de milhares de católicos que recusaram o confucionismo - num veículo descoberto, para celebrar uma missa solene em memória da primeira geração de católicos do país.

A lista de 124 mártires é encabeçada por Paul Yun Ji-chung, decapitado em 1791, ano em que começaram as perseguições, segundo a agência Ecclesia.

Papa Francisco tira nova «selfie»

Francisco critica hipocrisia dos religiosos que «vivem como ricos»

Durante a sua visita, o papa Francisco deixou, ainda, uma crítica à hipocrisia dos religiosos que «vivem como ricos» e instou a comunidade eclesiástica a manter o voto de pobreza.

«A hipocrisia dos homens e mulheres consagrados que professam o voto de pobreza e, contudo, vivem como ricos, danificam a alma dos fiéis e prejudicam a Igreja», disse Francisco a 4.000 membros das comunidades religiosas sul-coreanas no centro católico para pessoas com mobilidade reduzida de Kkottongnae, que fica a 100 quilómetros a sul de Seul.

O papa advertiu para «o perigo que constitui o consumismo em relação à pobreza da vida religiosa», num país que alcançou um rápido progresso material nas últimas décadas.