O papa Francisco mostrou-se contra a legalização do consumo de drogas, dizendo que é preciso enfrentar os problemas que estão na base da sua utilização, educando os jovens com os valores da vida comum.

O líder católico fez estas declarações durante a sua visita ao hospital São Francisco de Assis na Providência de Deus, no Rio de Janeiro, onde inaugurou o novo centro para a recuperação de toxicodependentes, sobretudo dependentes do crack.

«Não é na liberalização do consumo de drogas, como se está a discutir em várias partes da América Latina, que se poderá reduzir a propagação e a influência da dependência química», disse, sublinhando que «é preciso enfrentar os problemas que estão na base do seu uso, promovendo uma maior justiça, educando os jovens nos valores que construam a vida comum, acompanhando os necessitados e dando esperança para o futuro».

Francisco condenou «a praga do narcotráfico», que favorece a violência e que promove a dor e a morte.

O papa referiu que é necessário olhar com os olhos do amor de Cristo e aprender a abraçar aqueles que estão necessitados, para expressar proximidade, afeto e amor.

«Mas abraçar não é suficiente, estendamos a mão a quem se encontra em dificuldade, a quem caiu no abismo da dependência, talvez sem saber como dizer-lhe: podes levantar-te, podes subir, vai custar, mas podes conseguir, se quiseres de verdade», sublinhou.

Francisco lançou uma mensagem de esperança aos jovens toxicodependentes, mas disse que é imprescindível que desejem sair desta situação.

«Encontrarás a mão estendida de quem quer te ajudar, mas ninguém pode subir por ti, entretanto, nunca estás sozinho», disse, assegurando que a Igreja e muitas pessoas estão com eles.

Francisco apelou para um olhar de confiança para o futuro.

«A travessia é longa e cansativa, mas veja mais à frente, há um futuro certo, que se encontra numa perspetiva diferente das propostas ilusórias dos ídolos do mundo, mas que dá um impulso e uma força nova para viver a cada dia», acrescentou.

O papa foi recebido no hospital, no bairro da Tijuca, pelo arcebispo do Rio de Janeiro, Orani Tempesta, e recebeu uma estátua de São Francisco, feita pelos toxicodependentes em tratamento.

Ex-toxicodependentes, emocionados, relataram ao papa a sua luta contra as drogas.

O papa Francisco, que realiza sua primeira viagem internacional desde que se tornou papa, está no Brasil para a 28.ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ) no Rio de Janeiro, que decorre até ao domingo.

Hoje, em Aparecida, no interior de São Paulo, o papa celebrou uma missa no Santuário de Nossa Senhora Aparecida e abençoou a estátua de Frei Galvão - tornado santo em 2007 - no seminário de Bom Jesus, local onde almoçou com cerca de 60 pessoas do clero e descansou antes de voltar ao Rio de Janeiro.

Ainda em Aparecida, o papa disse que voltará ao Brasil em 2017, ano em que Santuário Nacional vai comemorar os 300 anos da descoberta da imagem de Nossa Senhora no Rio Paraíba.