O tribunal de Grenoble rejeitou o pedido de libertação do suspeito do alegado homicídio da menor lusodescendente Maëlys de Araújo, desaparecida em agosto, em Pont-de-Beauvoisin, referiu hoje a procuradoria daquela cidade do sudeste de França.

O juízo de liberdades e da detenção considera que a detenção (de Nordahl Lelandais) é necessária à continuação da instrução do processo", revelou a procuradoria de Grenoble, citada pela página na Internet da cadeia de rádios France Info.

Nordahl Lelandais, acusado em outro caso de desaparecimento, continua a clamar inocência, desde que foi detido, em finais de agosto, alguns dias depois de a menina de quase nove anos, apenas com a nacionalidade francesa, ter desaparecido da festa de um casamento.

O suspeito foi detido em 31 de agosto pelas autoridades policiais francesas para investigação no âmbito e, de acordo com o canal de televisão RTL, não fazia parte dos convidados do casamento em que participavam a criança e a família.

O homem, segundo a RTL, esteve perto do local do casamento.

O detido já teria sido ouvido pelos gendarmes (polícia militarizada), mas as suas declarações terão sido inconsistentes.

As autoridades informaram também que ocorriam mais duas festas nas proximidades do local em que estava a ser realizada a festa de casamento, num sábado, na qual se encontrava a menina.

Os interrogatórios aos vários convidados da festa de casamento, mais de 200 pessoas, foram realizados pelas autoridades policiais.

Horas depois, por volta das 03:00 (02:00 em Lisboa), os pais descobriram que Maëlys não estava no salão de festas nem nas proximidades.

O caso está nas mãos do departamento de investigações de Grenoble, apoiado pela brigada de investigações de Tour-du-Pin e pela brigada territorial de Pont-de-Beauvoisin.