Começou a ser distribuído em França, esta sexta-feira, um panfleto que explica como reagir a um ataque terrorista. 

O folheto, inspirado nas instruções de segurança dos aviões comerciais, refere o que fazer e o que não fazer no caso de um atentado semelhante ao que aconteceu a 13 de novembro, em Paris, no qual morreram 130 pessoas.

Os cartazes vão ser colocados em locais públicos, como centros comerciais, museus, estádios e universidades, e já estão a ser divulgados nas redes sociais.
 

O primeiro conselho é fugir, se possível, e ajudar os outros a fazê-lo. De acordo com o guia, é também importante alertar as pessoas que estiverem nas redondezas para o perigo, dissuadindo-as de se aproximarem do local.

Se estiver cercado e não for possível fugir, o panfleto indica como se esconder e aconselha a tirar o som e a vibração do telemóvel. Uma vez em segurança, deve ser alertada a polícia.

As diretrizes do folheto recomendam ainda que, no caso de estar a decorrer uma operação de salvamento,se facilite a entrada dos agentes no local e não se divulgue informações sobre a atuação das forças de segurança, tal como fizeram os belgas quando decorriam as operações em Bruxelas.

A ideia de lançar um panfleto surgiu no Reino Unido, que já o tinha feito depois dos ataques de 13 de novembro, mas a ideia não foi bem aceite pelos internautas ingleses, que apontaram que as instruções poderiam alimentar o pânico.

Em França, os utilizadores das redes sociais também já começaram a reagir. 
 
No twitter, este internauta pergunta se é suposto viver em alerta constante, como os israelitas.