Um homem de 23 anos foi detido, na semana passada, em França, suspeito de estar a planear o assassinato do presidente francês, Emmanuel Macron. O ataque estaria marcado para o dia da Bastilha, 14 de julho, durante a visita de Donald Trump a França, avançou segunda-feira a porta-voz do Ministério Público de Paris.

De acordo com a emissora pública de rádio francesa, a France Info, os responsáveis pela investigação referiram que o homem planeava atacar Macron, durante o desfile nos Campos Elísios, em Paris, onde Trump será um convidado de honra.

O suspeito, um nacionalista de extrema-direita, foi preso, na quarta-feira, no subúrbio de Argenteuil, a noroeste de Paris, pelos serviços antiterroristas. No sábado, foi acusado de “atividade terrorista individual”.

O homem disse à polícia francesa que queria matar Macron, para fazer uma declaração política. Afirmou ainda que tinha como objetivo atacar “negros, árabes, judeus e homossexuais”, de acordo com documentos da polícia, aos quais o canal de televisão francês BFMTV teve acesso.

As forças de segurança foram alertadas pelos utilizadores de um site de jogos na internet, onde o suspeito terá dito que queria comprar um arma, do tipo Kalashnikov, para cometer um ataque.

A polícia disse que a investigação está no início e, portanto, ainda é cedo para dizer se o suspeito está ligado a uma rede mais ampla.

O suspeito já era conhecido das autoridades e, em 2016, tinha sido detido por apelar ao terrorismo.