O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, assumiu esta sexta-feira que os 17 mortos provocadas por ataques terroristas perpetrados no país, nos últimos três dias, mostram «a existência de falhas» na segurança.

«Há uma falha clara. Quando 17 pessoas morrem, isso significa que houve falhas» na segurança, afirmou o governante ao canal televisivo BFM e citado pela agência noticiosa France Presse.


Manuel Valls mostrou-se preocupado com as «centenas de pessoas que viajam para a Síria ou para o Iraque» para serem «treinadas no terrorismo» e que depois regressam ao país.

Também esta sexta-feira, mas em entrevista ao canal televisivo TF1, Manuel Valls, revelou que o Presidente francês deu a ordem dupla para a operação policial contra os suspeitos dos ataques terroristas que se tinham barricado numa gráfica, em Dammartin-en-Goële, nos arredores de Paris, e num supermercado judaico, no leste da cidade.

O primeiro-ministro francês afirmou ter participado na decisão dupla tomada pelo Presidente François Hollande, com o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, e com a ministra da Justiça, Christiane Taubira.

«Poderia ter sido mais longo e mais dramático», comentou Valls, destacando «o alívio» sentido pelo «notável trabalho» das forças de segurança, que travaram os suspeitos.