As autoridades francesas receberam, este sábado à tarde, um alerta sobre reféns no interior de uma igreja num bairro, no centro de Paris. A polícia cercou e evacuou o local, mas nas buscas não foi detetado nada suspeito.

Apesar de ter sido um falso alarme, as autoridades não conseguiram evitar o pânico entre as pessoas. Depois atentados em França, o Governo lançou uma aplicação para smartphone que envia mensagens de alerta em caso de perigo.

O alerta surgiu para o distrito 1, Les Halles, bem no centro de Paris. Mas, segundo o Parisien, testemunhas oculares dizem ter ouvido disparos perto da igreja de Saint Leu Saint Gilles, na rua Saint Denis.

No local, as autoridades criaram um perímetro de segurança para avaliar o perigo. Durante vários minutos, houve um helicóptero a sobrevoar o local, mas também não encontrou nenhum movimento suspeito.

Pouco depois as autoridades levantaram o alerta de ataque, e o ministro do interior francês, Bernard Cazeneuve, usou o Twitter para divulgar um comunicado. No documento lê-se que tudo não passou de um “falso alarme”, que as forças policiais atuaram com eficácia e que, “por precaução, o sistema de alerta da população ‘SAIP’ foi ativado de imediato”.

 

Fim da intervenção das forças da ordem – nenhum perigo a assinalar”, escreveu na rede social Twitter a prefeitura de Paris, minutos depois de se ter iniciado a operação policial que durou cerca de uma hora.

 

A possibilidade de um novo ataque no interior de uma igreja reavivou a memória do recente ataque de 26 de julho onde um padre foi degolado, na Normandia, perto de Rouen, depois de dois homens armados terem feito cinco reféns no interior da igreja.