logotipo tvi24

França: tiroteio à porta de escola faz quatro mortos

Um homem abriu fogo sobre um grupo de pessoas que estavam no exterior do edifício

Por: Redacção / PP    |   2012-03-19 08:28

Artigo atualizado às 12:57

Um tiroteio à porta de uma escola judaica em Toulouse, em França, fez, pelo menos, quatro mortos, avançam as agências internacionais. Entre as vítimas mortais estão três crianças e um adulto. Há também registo de uma pessoa gravemente ferida.

Três das vítimas fazem parte da mesma família: um professor, com 30 anos de idade, e os seus dois filhos com três e seis. A outra criança que morreu terá entre 8/10 anos. O ferido grave será um rapaz com 17 anos de idade.

Segundo testemunhas no local, um homem abriu fogo sobre as pessoas que estavam à porta da escola e, em seguida, fugiu de mota.

Recorde-se que há alguns dias três soldados foram mortos a tiro, na mesma região no sudeste de França, por um homem numa mota.

«Tragédia nacional»

O Presidente francês, Nicolas Sarkozy, já declarou como «tragédia nacional» o ataque armado e decretou um minuto de silêncio terça-feira, em todas as escolas.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Tiroteio em escola judaica de Toulouse fez quatro mortos

Tiroteio em escola judaica de Toulouse fez quatro mortos (Jean Philippe Arles/Reuters) EM CIMA: Tiroteio em escola judaica de Toulouse fez quatro mortos (Jean Philippe Arles/Reuters)

Jornalista da CNN raptado na Ucrânia
Anton Skiba está há dois dias a ser interrogado pelos separatistas pró-russos. Mais dois repórteres desaparecidos dos arredores de Donetsk
Os russos estão a fugir de Putin
Números não oficiais estimam que três milhões emigraram na última década em busca de melhores condições de vida, mais liberdade e menos corrupção
Gaza: 10 mortos em ataque a escola da ONU
Edifício servia de abrigo a refugiados palestinianos
EM MANCHETE
Ricardo Salgado detido e constituído arguido
Ministério Público confirmou a detenção e envolvimento na operação Monte Branco. Em risco, a destruição de documentos. Ex-presidente do BES estaria a efetuar chamadas encriptadas
«Há mais informação relevante sobre o BES que não foi tornada pública»
Governo recusa comentar detenção de Ricardo Salgado