logotipo tvi24

Khadafi quis dar 50 milhões à campanha de Sarkozy

Documento revelado por site francês sobre campanha para as presidenciais de 2007

Por: Redacção / PO    |   2012-04-29 13:47

Um documento dos serviços secretos revela que Muammar Khadafi estava disposto a disponibilizar 50 milhões de euros para financiar a campanha eleitoral de Nicolas Sarkozy, em 2007.

O documento foi revelado pelo site Mediapart e não esclarece se o financiamento se efetivou.

O documento, datado de 10 de Dezembro de 2006, foi assinado por Moussa Koussa, chefe dos serviços secretos líbios à data que, no decorrer da sangrenta guerra que depôs o regime, escapou para o Ocidente.

O site Mediapart revela ter obtido o documento, em árabe, através de altos responsáveis líbios na clandestinidade.

O documento prossegue a uma reunião ocorrida a 6 de Outubro de 2006, onde foi revelada a intenção verbal de financiamento. Nesta reunião terão participado o ex-ministro Brice Hortefeux e várias figuras do regime de Khadafi, como Ziad Takieddine, encarregado de negócios internacionais do coronel. Brice Hortefeux já desmentiu qualquer participação na referida reunião.

Esta não é a primeira vez que se fala em dinheiro líbio na anterior campanha de Sarkozy, que no próximo domingo tentará ser reeleito presidente de França contra o socialista François Hollande.

A campanha de Nicolas Sarkozy já pediu uma investigação sobre as acusações feitas pelo jornal.

Partilhar
EM BAIXO: Nicolas Sarkozy em campanha (Reuters)
Nicolas Sarkozy em campanha  (Reuters)

Rio de Janeiro reforça segurança após manifestação em favela
Morte de dançarino atribuída à polícia gera novo surto de violência na cidade brasileira
Descarrilamento de comboio faz 57 mortos na RD do Congo
«O novo balanço provisório é de 57 mortos», afirmou o porta-voz do governo Lambert Mende
25 de abril «foi uma conquista da humanidade»
O ex-presidente brasileiro, Lula da Silva, elogiou a revolução portuguesa de 1974
EM MANCHETE
Queda de muro em Braga mata três universitários
Estudantes eram todos caloiros. «Guerra de cursos» terá estado na origem do acidente
Execução orçamental: défice cai, mas despesa aumenta
Passos quer «fazer a função pública respirar»