Foram encontrados, na Austrália, dentes de uma espécie de tubarão com 25 milhões de anos. Phil Mullaly, um amador entusiasta de fósseis, percebeu que tinha descoberto algo importante quando encontrou um dente parcialmente exposto numa rocha, numa praia em Torquay, no estado australiano de Victoria.

Fiquei logo entusiasmado. Foi simplesmente perfeito", declarou Phil.

Os dentes têm cerca de 25 milhões de anos, medem cerca de sete centímetros e pertenciam a uma espécie de tubarão dentado extinta. É o Grande Tubarão Estreito Dentado (Carcharocles Angustidens), que comparado com o tubarão branco, assume o dobro do tamanho, atingindo os nove metros de comprimento.

A descoberta de Phil é uma das mais raras na história da Paleontologia, de acordo com Erich Fitzgerald, paleontologista do Museums Victoria. O cientista liderou a equipa que foi para o local onde foram encontrados os primeiros fósseis para escavar e procurar mais marcas deste animal.

Se pensarmos há quanto tempo procuramos fósseis no mundo, como uma civilização - talvez 200 anos – neste tempo encontrámos apenas três [conjuntos de] fósseis assim em todo o planeta e esta descoberta na Austrália é uma dessas três", explicou Fitzgerald à CNN.

A descoberta foi feita em 2015, mas só esta quinta-feira foi confirmada por cientistas. Fitzgerald conta que foi contactado pela primeira vez por Phil no ano passado, a propósito de outro assunto, mas que acabou por mencionar a descoberta. Durante a conversa, o entusiasta por fósseis referiu que tinha encontrado dentes de tubarão. Quando Fitzgerald viu os dentes presencialmente no museu percebeu o quão significativa era a descoberta de Phil.

Isto não acontece. Isto simplesmente não acontece. Isto só tinha acontecido uma vez na Austrália e foi de uma espécie totalmente diferente de tubarão", conta o paleontólogo.

O entusiasmo do cientista não acabou por aqui. Quando Phil revelou que a rocha na qual encontrou os dentes ainda estava na praia, Fitzgerald assumiu ter ficado “de queixo caído”. Organizou uma equipa e dirigiram-se ao local. Realizaram a escavação em dezembro de 2017, aproveitando que as marés estavam baixas. Passados 20 minutos da chegada, começaram a descobrir dentes. Conseguiram extrair mais de 40 exemplares diferentes.

A equipa de Fitzgerald terminou a investigação e agora prossegue com uma pesquisa para conseguir perceber a história da evolução desta espécie de tubarão através dos dentes.

Se pudermos descobrir mais alguma pista sobre o estilo de vida desta espécie extinta, conseguimos perceber o porquê da sua extinção", revela o responsável pela escavação.

Os tubarões têm a capacidade de regenerar os dentes e podem até perder um por dia. Contudo, não se decompõem facilmente, razão pela qual chega a ser comum este tipo de descobertas. Apesar disto, Fitzgerald refere que é extremamente raro encontrar vários dentes de um único tubarão.