As autoridades canadianas admitiram esta quinta-feira que não conseguem controlar o incêndio que já obrigou à retirada de 90 mil pessoas no noroeste do país. As chamas já destruíram pelo menos 1600 edifícios e consumiram 85 mil hectares de floresta desde a noite de domingo.

A governante da província de Alberta, Rachel Notley, reconheceu durante uma conferência de imprensa, que o incêndio permanece fora de controlo e que assim vai continuar, apesar dos mais de 1.100 bombeiros, 145 helicópteros e 22 aviões cisterna que o estão a combater.

As elevadas temperaturas e as rajadas de vento, que chegaram a atingir os 70 quilómetros por hora, impossibilitam o controlo das chamas que levaram à evacuação da cidade de Fort McMurray.

Há labaredas com 100 metros de altura e projeções que espalham o fogo por uma área cada vez maior.

Os bombeiros dizem que os meios humanos já não bastam para combater as chamas e esperam agora que o tempo mude para que a cidade de Fort McMurray possa escapar a esta tempestade. 

As dezenas de milhares de pessoas que tiveram de deixar a cidade canadiana de Fort McMurray enfrentam uma longa espera até poderem regressar a casa.

Os danos causados pelas chamas são significativos e não há meio de prever quando os residentes podem regressar à cidade, que foi evacuada, disse a primeira-ministra da província de Alberta, Rachel Notley.

Infelizmente, sabemos que não é uma questão de dias”, lamentou.