As forças armadas da Turquia garantiram que têm o poder de derrotar qualquer ameaça no futuro. Numa conferência de imprensa emitida pela televisão NTV, as forças turcas informaram que 8651 soldados participaram na tentativa de golpe de Estado falhada que ocorreu a 15 de julho, o que representa 1,5% do exército.

Os golpistas usaram 35 aviões, 37 helicópteros, 37 tanques e 246 veículos blindados e três barcos, segundo o anúncio feito esta manhã.

As autoridades turcas voltaram a atribuir a autoria da tentativa de golpe a Fethullah Gülen, embora este líder religioso e opositor do regime, em exílio nos Estados Unidos, já o tenha negado.

A tentativa de golpe de Estado levada a cabo a 15 de julho provocou 246 mortos e mais de 2000 feridos. Desde então, o governo de Recep Tayyp Erdogan tem mostrado mão pesada e já fez milhares de detenções. Ancara foi mais longe e abriu mesmo a porta à reintrodução da pena de morte, abolida em 2014, o que suscitou vários avisos dos responsáveis europeus.

O anúncio das forças armadas turcas surge no mesmo dia em que foi noticiado que as autoridades turcas emitiram novos mandados de detenção. Desta vez, os visados são 47 jornalistas do jornal Zaman. Pelo menos um dos jornalistas, Sahin Alpau, já foi detido ao início desta quarta-feira, segundo a agência turca Anadolu. 

Isto depois de na segunda-feira terem sido emitidos mandados de detenção para 42 jornalistas, incluindo figuras bem conhecidas do público. Entre os visados está a jornalista Nazli Iliak, que foi despedida em 2013 do jornal pró-governamental Sabah depois de ter criticado ministros envolvidos num caso de corrupção.