A diretora do Fundo Monetário Internacional vai ser julgada em França por alegada negligência num processo que culminou com uma indemnização milionária de 400 milhões de euros concedida pelo Estado ao empresário Bernard Tapie en 2007.

A decisão do Tribunal de Justiça da República foi uma surpresa, já que em setembro o procurador-geral ter recomendado que as queixas contra Lagarde fossem retiradas.

Lagarde solucionou um litígio de negócios complexo que opunha Bernard Tapie a uma estrutura pública que geria activos do banco Crédit Lyonnais, resgatado da falência nos anos 1990 pelo Estado francês.

Para evitar longos processos e resolver este antigo litígio sobre a venda pelo Crédit Lyonnais do Grupo Adidas, Christine Lagarde escolheu um tribunal arbitral, ou seja uma justiça privada. 

O resultado do processo realizado em 2008 por esta instância foi favorável a Bernerd Tapie.

O Tribunal de Justiça da República é única instância em França competente para investigar membros do governo por atos cometidos em funções.