Um homem, de 29 anos de idade, foi condenado a 13 anos e oito meses de prisão, após ter confessado em tribunal que enganou a namorada grávida e lhe deu um comprimido para abortar, avança o jornal «The Tampa Tribune». O caso aconteceu na Florida, EUA.

A namorada de John Andrew Welden, Remee Jo Lee, soube em Fevereiro do ano passado que estava grávida de seis semanas. Ela queria ficar com o bebé, mas Welden não. O pai de Welden, obstetra, fez a primeira ecografia e análises de sangue a confirmar a gravidez. Depois da consulta, Welden enganou a namorada e disse-lhe que ela estava com um infeção e teria de fazer antibiótico.

Welden falsificou a assinatura do pai numa receita para comprar Cytotec, um comprimido que induz o trabalho de parto. Depois de comprar o medicamento mudou-lhe o rótulo e substituiu por um de Amoxicilina, um antibiótico que as mulheres grávidas podem tomar.

No dia seguinte, cheia de dores, Remee Jo Lee foi levada para o hospital e descobriu que tinha perdido o bebé. Os médicos analisaram os medicamentos que estavam na posse da jovem e descobriram, rapidamente, que não se tratava de antibióticos.

Welden, que sofre de um distúrbio bipolar, admitiu o que tinha feito e declarou-se culpado. Podia ter sido condenado a prisão perpétua, mas o juiz considerou que o seu «pedido de desculpas» e «confissão do crime» eram sinceros e revelavam arrependimento. «Ele não parece ser uma pessoa maléfica, mas cometeu um ato criminoso e vai pagar por isso», afirmou o juiz. Welden acabou condenado a 13 anos e oito meses de prisão.