Rebecca, 13 anos, tem feridas que se vêem e outras que estão escondidas. As feridas físicas vão eventualmente acabar por passar, as outras ficarão para sempre marcadas nesta menina filipina que perdeu a família na fúria do tufão que abalou Tacloban, nas Filipinas.

Rebecca sobreviveu, mas passou seis dias entre os cadáveres dos familiares até ser socorrida e levada para o hospital que, como conta a BBC, tenta salvar vidas sem ter os materiais mais básicos. Ali falta de tudo. Até a água para os bebés desidratados é racionada.

Nos olhos de Rebecca falta esperança. A jovem traumatizada permanece sentada numa maca, com o olhar esquecido, enquanto a equipa médica tenta limpar-lhe o golpe da cabeça.

Voluntário português da AMI descreve «catástrofe total»



Neste país, não há tempo para chorar os mortos: milhares perderam a vida e pelo menos 11 milhões de pessoas foram afetadas.

Muitas vítimas do Haiyan sem qualquer tipo de ajuda