É japonês, tem 24 anos e é filho de um empresário rico. Mitsuoki Shigeta está a ser investigado pelas autoridades tailandesas por suspeitas de ter criado uma «fábrica de bebés». Segundo diversos órgãos de comunicação social, recorria a barrigas de aluguer para ter filhos e, mais tarde, vendia os menores.

Tudo terá começado com a descoberta de nove bebés num apartamento em Banguecoque. Tinham entre seis meses de idade e um ano. Testes de ADN revelaram que eram todos filhos do mesmo homem, escreve o «Sydney Morning Herald». Em Banguecoque, existem provas de que, pelo menos, 15 crianças foram registadas com o nome de Shigeta.

Além das crianças, as autoridades também encontraram sete amas e uma mulher grávida, que terá confessado ser uma «barriga de aluguer». No dia em que foram encontradas as crianças, Mitsuoki Shigeta tinha viajado para Macau e, neste momento, o seu paradeiro é desconhecido.

Shigeta era utente na clínica tailandesa que ficou conhecida depois de um casal australiano recorrer a uma barriga de aluguer que deu à luz gémeos, um com síndrome de Down, e os requerentes só adotaram a criança saudável.

Mitsuoki Shigeta é herdeiro de uma família rica japonesa com negócios na área das telecomunicações. Além disso, tem ainda participação numa start up em Hamburgo, na Alemanha, a «Familionet». A empresa criou uma aplicação para alertar, de forma automática, os pais sobre as movimentações dos filhos.

O jornal «Bangkok Post» cita fonte policial que garante que o jovem japonês viaja com frequência até à Tailândia. A polícia acredita que Shigeta é o progenitor dessas crianças e já recolheu amostras do seu ADN, no apartamento onde se encontravam as crianças, para esclarecer a paternidade dos menores.