O filho mais velho do ex-presidente cubano Fidel Castro morreu em Havana, aos 69 anos, em resultado de "uma depressão profunda", revelou hoje a imprensa oficial cubana.

De acordo com o site oficial Cubadebate, Fidel Castro Diaz-Balart lutava contra a doença há muitos anos.

"O doutor em Ciências Fidel Castro Díaz-Balart, que vinha sendo atendido por um grupo de médicos há vários meses por um estado depressivo profundo, atentou contra sua vida na manhã de hoje [quinta-feira], primeiro de fevereiro", comunicou o jornal estatal Granma, referindo-se ao cientista nuclear de profissão.

O primógénito do falecido líder cubano, que tinha muitas semelhanças físicas com o pai, sendo mesmo apelidado de "Fidelito", era fruto da união de Fidel com Mirta Diaz-Balart, uma aristocrata cubana com quem casou na juventude, antes de enveredar pela luta armada que o viria a conduzir ao poder.

Uma das últimas vezes que o primeiro de nove filhos de "El comandante" foi visto em público foi em novembro de 2016, no funeral do pai.