Pelo menos sete pessoas morreram e 53 outras ficaram feridas após o desabamento do teto de uma fábrica de cimento em construção, na quinta-feira, no Bangladesh, estimando-se em dezenas os que permanecem presos nos escombros, indica o mais recente balanço oficial.

Mais de 90 trabalhadores estavam no local, em Mongla, cidade portuária no sul do Bangladesh, quando a estrutura de aço e de betão ainda fresco começou a vacilar.

«O balanço é de sete mortos e 53 feridos, dos quais pelo menos seis se encontram em estado crítico», disse Shah Alam Sarder, da administração local, à agência noticiosa AFP, dando conta do resgate de cerca de uma dezena de operários.

O anterior balanço, facultado pelo chefe da polícia local, Jahedur Rahman, apontava para cinco mortos, seis feridos graves e uma dezena de soterrados. Contudo, o responsável dos bombeiros, Sheikh Mizanur Rahman, estimou, por seu lado, em cerca de 40 o número de pessoas presas nos escombros.

A fábrica, que pertence à Sena Kalyan Sangstha, uma sociedade gerida pelo exército, está a ser construída por uma empresa chinesa, a China National Building Material (CNBM).

Os desabamentos de edifícios são frequentes no Bangladesh, sobretudo por causa da utilização de materiais de fraca qualidade e não observância das regras do setor da construção civil.

Em abril de 2013, o colapso do complexo Rana Plaza, situado nos arredores da capital, que albergava cinco fábricas de vestuário e empregava mais de 3.500 operários têxteis, fez 1.138 mortos, naquela que foi a pior catástrofe industrial do país.