O homem armado que disparou, na sexta-feira, no aeroporto de Los Angeles, nos EUA, matando um agente da Administração de Segurança dos Transportes, planeava assassinar diversos funcionários da agência, informaram as autoridades, citando uma nota do suspeito.

A nota, manuscrita e encontrada num saco no aeroporto, revela que o homicida «decidiu, conscientemente, matar diversos funcionários da Administração de Segurança dos Transportes» (TSA, na sigla inglesa), afirmou no sábado David Bowdich, chefe da delegação de Los Angeles do FBI, polícia federal norte-americana de investigação.

O suspeito, Paul Anthony Ciancia, de 23 anos, é acusado pelo Ministério Público da morte do agente de segurança da TSA e de cometer um ato violento num aeroporto internacional, arriscando a pena de morte.

Segundo o FBI, a mesma nota, assinada pelo alegado homicida, dizia que tinha uma arma quando se encontrava no terminal 3 do aeroporto de Los Angeles.

Paul Anthony Ciancia «queria semear o terror no espírito dos traidores» da TSA, adiantou David Bowdich, citando o manuscrito.

O agente de segurança assassinado, Gerardo Hernández, de 39 anos, foi a primeira vítima mortal da TSA desde a sua criação, após os atentados do 11 de Setembro de 2001.