Diane Stretton é como que a «atriz principal» deste filme que se passa com uma família de Los Angeles, nos Estados Unidos. A mulher contratada pela família e entretanto despedida, recusa-se a abandonar a casa.

Desde logo, a família e a empregada não se entendem numa questão: a família diz que a despediu, a mulher diz que se despediu.

A saga insólita chegou ao conhecimento do público e a mulher resolveu falar pela primeira vez

«Não tinha pausas para almoçar nem pausas para tomar café, não tinha férias. Basicamente, trabalhava 24 horas/7 dias por semana», como conta a CNN citando a entrevista da radio KNX 1070. «Eles é que estavam a explorar-me, pobre imigrante».

Marcella Bracamonte, mãe de três e responsável pela contratação de Diane pra ajudar a cuidar dos filhos e da lida da casa, não reagiu às críticas, apesar dos esforços da CNN para obter uma reação da empregadora.

Certo é que um juiz californiano não deu razão à família e Diane Stretton pode ficar na casa por um período que se pode arrastar até 45 dias, mas a CNN sabe que não é a primeira vez que Diane coloca os patrões em tribunal e descobriu várias queixas de Diane em tribunal.

A mulher está a dormir no carro e os seus pertences dentro da casa da família Bradamonte. E aqui segue outro tira-teimas: Diane Stretton já disse que só tira as coisas da casa no último fim de semana de julho, precisamente quando a família vai ao casamento da irmã de Marcella, planeado há mais de um ano.

Este filme promete continuar.