A Venezuela está a construir uma estação de dessalinização para produzir água potável e combater a prolongada seca no país. A escassez de água já provocou a morte de 200 mil cabeças de gado e levou ao racionamento desse recurso.

A estação de dessalinização de água está ser construída, pela empresa estatal Petróleos de Venezuela SA (Pdvsa), no Centro de Refinação da Península de Paraguaná, Estado de Falcón (550 quilómetros a oeste de Caracas). A estação deve estar operacional em outubro, garantindo os requerimentos de água das refinarias de Amuay e Cardón.

Numa primeira fase, segundo Luís Barbedi, porta-voz de Projetos Maiores do Complexo Refinador de Paraguaná, a estação permitirá injetar 200 litros de água por segundo na rede hidrológica venezuelana, a fim de otimizar o abastecimento de água potável na região, devendo atingir posteriormente os 800 litros por segundo.

Até finais de 2015 a Venezuela prevê colocar em funcionamento três estações adicionais de dessalinização de água do mar.

Em julho, a Federação Nacional de Produtores de Gado (Fedenaga) denunciou que pelo menos 200 mil cabeças de gado morreram, na sequência da seca prolongada e da falta de pasto para os animais.

O anúncio foi feito por Rubén Darío Barboza, presidente da Fedenaga, que pediu ao Governo venezuelano para proceder urgentemente à importação de pasto, porque a falta de água tem impedido as sementes de germinar.

Para tentar provocar chuva, a Venezuela está a bombardear as nuvens com iodeto de prata, a fim de acelerar o processo de condensação e dessa maneira fazer chover.