Uma mulher filmou e publicou, em direto, o momento em que repreendeu e agrediu a filha, de 16 anos, por esta ter publicado fotografias sensuais na internet e andar a ter relações sexuais em casa sem a ter informado.

O caso aconteceu em Chicago, nos Estados Unidos. A acesa discussão entre mãe e filha terá tido origem, segundo explica a CNN, nas publicações ousadas da jovem.

Nia Green tem 16 anos e entre fotografias em pose mais ou menos sensual, terá também publicado, na sua conta do Facebook, uma fotografia com o namorado enrolado numa toalha.

A mãe da adolescente sentiu-se ofendida por ter descoberto nas redes sociais que a filha, de 16 anos, já não era virgem e resolveu repreendê-la em direto, na sua conta do Facebook.

O vídeo, com pouco mais de cinco minutos, mostra Shanavia Miller a gritar com a filha enquanto a confronta com as publicações e o facto de andar a ter relações sexuais em casa sem ter dado conhecimento a ninguém.

A jovem chora e grita, mas não contesta as acusações da mãe.

No final do vídeo, a mulher recompõe-se e pede aos internautas que partilhem a publicação e a tornem viral. De certa forma o pedido foi acatado e em pouco tempo o vídeo, entretanto retirado do Facebook, foi partilhado milhões de vezes e já está no YouTube.

ALERTA: Vídeo contém imagens suscetíveis de ferir a sensibilidade dos leitores

“Envergonhei a minha mãe e ela envergonhou-me”

Os internautas que partilharam o vídeo onde Shanavia repreende e bate na filha adolescente, são os mesmos que a condenam pelo ato que consideram “exagerado” e “brutal”. No Facebook surgiram páginas de apoio à filha, onde aparecem pedidos para que a mulher se criminalizada pelo que fez, mas também há quem diga compreender o esforço de Miller na educação da filha e o quão frustrante é quando a realidade não corresponde às expetativas dos pais.

A ofendida, Nia Green, também saiu em defesa da agressora. A jovem escreveu no Facebook que compreende os motivos da mãe e está arrependida de ter publicado as fotografias e não ter contado que já tinha relações sexuais.

Em primeiro lugar, não devia ter envergonhado a minha mãe. Eu só tenho 16 anos. Devia ter-me aberto com ela e contado que já tinha relações sexuais. Só estava à espera de alguns dias para ver como lhe ia dizer. Eu entendo os motivos dela. Eu envergonhei a minha mãe, então ela envergonhou-me”, lê-se na publicação de Nia Green.

Desde que o vídeo foi publicado, o departamento da polícia metropolitana de Savannah-Chatham recebeu vários telefonemas de pessoas preocupadas com a integridade física e moral da jovem.

Um porta-voz da polícia disse que a unidade especial de vítimas está a acompanhar o caso e já falou com as protagonistas do vídeo. Nia Green terá dito às autoridades que se sente segura em casa. Ainda assim, o caso foi encaminhado para o departamento de crianças e família que está a seguir o caso da jovem. Segundo a CNN, não há, para já, qualquer queixa formalizada contra a mãe.