Um jato militar F-18 dos Estados Unidos da América caiu, esta quarta-feira, perto de uma base da Royal Air Force, em Suffolk, sudeste de Inglaterra. O acidente matou o piloto, único ocupante da aeronave. O aparelho caiu numa zona de campo, logo após deixar a base de Lakenheath.
 
Várias testemunhas, que se encontravam no local na altura do acidente, dizem ter visto um avião a voar muito baixo. De seguida, viram uma "grande nuvem de fumo e um flash de luz".

O F-18, batizado de Hornet, tinha prestado serviço na Síria, no combate ao Estado Islâmico. Depois de uma escala em Inglaterra, estava a iniciar a viagem de regresso aos Estados Unidos da América.
 
Os Marines já confirmaram em comunicado que o avião lhes pertencia, acrescentando que "os esforços de resposta estão em curso e que o incidente está sob investigação."
 
Karen Miles-Holdaway, residente em Redmere, vila próxima do local do acidente, disse que  estava em casa quando o acidente ocorreu, sentindo uma mudança de pressão no momento em que o avião caiu.
 
Contou ainda à BBC que o piloto tinha "tomado uma boa decisão", ao ter evitado o despenhamento sobre um aglomerado de cerca de 20 casas perto do local do acidente.

 "Ele é  muito, muito bom piloto e eu gostaria de prestar um agradecimento à família dele”.

Matthew Barzun, embaixador dos Estados Unidos da América no Reino Unido, publicou esta quarta-feira no Twitter uma mensagem de apoio: "A perda de hoje em Cambridgeshire é uma notícia horrível. Os meus pensamentos e orações estão destinam-se a todos os envolvidos"