A Polícia Nacional de Angola demitiu compulsivamente, em 2014, um total de 93 agentes da autoridade, tendo instaurado processos a outros 82, de acordo com informação transmitida hoje pelo comando geral daquela força policial.

Em causa estão processos disciplinares movidos por infrações «graves» às regras internas, como acusações de corrupção, abuso de confiança, burla, ofensas corporais graves, entre outras dadas como provadas durante a investigação interna.

«A Polícia Nacional não vai tolerar que qualquer efetivo seu viole as regras da deontologia e da disciplina ou que esteja metido em qualquer situação ligada a crime ou atos que comprometam a nossa corporação», sublinhou fonte oficial da polícia angolana.

De acordo com o comando geral da Polícia Nacional, mediante o desenvolvimento dos processos de investigação em curso, novas expulsões deverão seguir-se este ano.

Durante as investigações, conclui-se que alguns destes efetivos participavam na retirada de suspeitos que se encontravam detidos nos estabelecimentos policiais.

A outros agentes foram instaurados processos por furto no local de serviço, peculato, abuso de exercício do cargo, negligência, embriaguez e abandono do posto.