Pelo menos seis soldados morreram esta quinta-feira de manhã no sudeste da Turquia, de maioria curda, num ataque atribuído pelas autoridades aos rebeldes do Partidos dos Trabalhadores do Curdistão (PKK). Um militar está gravemente ferido, segundo as mesmas informações. Fontes dos serviços secretos turcos disseram à AFP que o ataque ocorrer num comboio militar.

“Este ataque teve como alvo um comboio militar na localidade de Lice, na província de Diyarbakir”, precisaram as fontes.

Este ataque ocorre um dia depois de um atentado, com um carro armadilhado, que provocou a morte a 28 pessoas em Ancara.

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, confirmou esta quinta-feira que a polícia identificou um sírio, apresentado como próximo das milícias curdas e recém-chegado ao país como refugiado, como o autor da explosão no centro da capital turca.

A imprensa turca revela que o homem foi identificado graças às impressões digitais, registadas pelos serviços de imigração aquando da sua entrada no território como refugiado.

O líder do Partido Democrático de União (PYD), os curdos da Síria, já veio negar qualquer envolvimento no atentado. O responsável, citado pela agência Reuters, acusou o primeiro-ministro turco de culpar as mílicias curdas pelo atentado numa tentativa de fazer escalar o conflito na Síria.