Foi quase tudo a fazer de conta. Menos a vontade de querer voltar para a prisão. Por isso, Linda Thompson, de 59 anos, sem-abrigo, entrou decidida num banco no Wyoming, Estados Unidos.

Ameaçou os funcionários com uma suposta arma, que na verdade não existia. Pegou nos mais de 15 mil dólares, cerca de 14 mil euros, e sai para a rua. No parque de estacionamento, começou a distribuir dinheiro a quem passava e acabou a atirar as notas ao ar.

Foi detida e ficou mais perto de conseguir o que pretendia: voltar para a segurança da prisão.

Farta de ser ofendida

Quando a polícia chegou ao local, Thompson confessou ter assaltado o banco porque queria regressar à prisão. Foi depois ouvida por um juiz, mas a sentença ainda não foi decretada, segundo avança a estação e televisão local KGWN News.

Antes de ser libertada da prisão em junho, depois de cumprir pena por pequenos delitos, LInda já assumira perante os guardas prisionais que não queria sair. Nem esperava que lhe concedessem liberdade condicional.

Transsexual, Linda Thompson queixa-se de ter sido constantemente ofendida nas ruas depois da mudança de sexo. Dias antes de ter sido detida, tinha reportado às autoridades ter sido agredida por um grupo de homens e sofrido fraturas faciais.

A fama da TV

Segundo o jornal The Independent, Linda Thompson ficou conhecida por milhares de norte-americanos pela participação num documentário chamado “Cruel e incomum: mulheres transsexuais na prisão”.

Foi no documentário que Linda, então reclusa, revelou ter trabalhado durante seis anos numa plataforma de petróleo. Quando se submeteu à mudança de sexo, em 1991, perdeu o emprego. Atravessou muitas dificuldades económicas, tornou-se sem-abrigo e viu-se obrigada a cometer pequenos assaltos que a levaram à prisão.