Katrina-Rose Black, de 21 anos, não aceitou o fim da relação com Anthony Ashworth e tentou de tudo para ter o ex-namorado de volta.

De acordo com o «Daily Mail», a mãe de duas crianças ligou para o ex-namorado no dia 27 de outubro de 2013, a pedir que ele fosse lá casa «depressa» porque estava sozinha.

Sabe-se agora que depois de desligar a chamada, Katrina-Rose pegou fogo à residência em Burnley, Inglaterra, utilizando um isqueiro para incendiar as roupas das crianças, brinquedos e fraldas no quarto de cima, e esperou que Anthony aparecesse para a salvar.

Anthony recebeu quatro chamadas da ex-namorada e mãe dos seus filhos entre as 21h55 e as 22h25. Quando o ex-namorado atendeu, Katrina-Rose pareceu transtornada e disse-lhe que já tinha «tido que chegasse».

«Tentei garantir-lhe que ela ia ver o nosso filho de manhã e que ia ficar feliz ao vê-lo abrir os presentes», revelou Anthony, que detém a custódia dos filhos, à publicação.

Segundo o ex-namorado, ela ligou continuamente para saber se este já tinha saído do trabalho e pediu-lhe que se «despachasse». «Disse-lhe que estaria lá o mais depressa possível».

No entanto, a pressa de Anthony não foi suficiente e quando, às 22h30, chegou a casa de Katrina-Rose não obteve resposta. Pouco tempo depois fumo preto começou a sair das janelas. Anthony tentou entrar na casa e quando não conseguiu chamou os bombeiros.

A jovem acabou por ser encontrada morta, por inalação de fumos, no quarto.

De acordo com os investigadores, a jovem tinha um histórico de mentiras para chamar à atenção, entre elas um falso diagnóstico de cancro. Já em fevereiro de 2010, quando tinha 17 anos, Katrina-Rose foi salva por dois vizinhos, depois de um incêndio atingir a sua antiga casa.