Um novo sismo de magnitude 7,3 sacudiu o Nepal, esta terça-feira, depois do terramoto de há cerca de duas semanas que fez pelo menos  oito mil mortos. Pelo menos 50 pessoas morreram, de acordo com o porta-voz da polícia nepalesa Kamal Singh Bam citado pela CNN. A porta-voz do governo Minendra Rijal acrescentou que há 1.261 feridos.

O sismo também provocou pelo menos 17 mortos na Índia e um no Tibete.

O relato dos acontecimentos AO MINUTO

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) apontou, inicialmente, para um abalo de magnitude 7,1, sentido às 12:50 locais (07:05 em Lisboa), mas os valores foram revistos pouco depois para 7,4 e seguir para 7,3.
 

O epicentro foi registado a 68 quilómetros do Monte Evereste, que está sem montanhistas desde o sismo de 7,8, no dia 25 de abril, e a 15 quilómetros de profundidade.
   

Foram sentidas seis fortes réplicas, com magnitudes entre os 5,0 e os 6,3, nas horas seguintes.
 
Além dos 42 mortos no Nepal, morreram pelo menos 17 pessoas, na Índia, segundo informou o porta-voz do governo Kuldeep Dhatwalia à CNN. Só uma das mortes se verificou no estado de Uttar Pradesh, sendo que todas as outras aconteceram em Bihar.

Já no Tibete, um condutor foi atingido mortalmente por uma pedra que se soltou com o abalo.
 

A polícia do Nepal pediu às pessoas que se mantivessem no exterior dos edifícios e que não impedissem as ruas ou as linhas telefónicas.
 
No entanto, o medo de novas réplicas levou milhares a passar a noite na rua.

 
No aeroporto de Katmandu, que esteve sem ligações durante umas horas, o pânico levou milhares de pessoas a fugirem para a pista.
 
Uma equipa canadiana da Cruz Vermelha filmou um deslizamento perto de Dhunche, uma aldeia nepalesa.
 

O tremor de terra foi sentido até Nova Deli, onde há testemunhos de edifícios a tremer durante mais de um minuto e de pessoas a saírem às ruas.