O Tribunal Europeu dos Direitos do Homem autorizou a morte de um tetraplégico. Vincent Lambert, francês, de 38 anos, sofreu um acidente de viação há sete anos. 

A questão divide a família. De um lado, a mulher e alguns irmãos defendem que ele se vá. Já os pais, uma irmã e um meio-irmão opõem-se. Dizem que são contra uma "eutanásia camuflada" e que Vincent nem sequer está doente mas é apenas uma pessoa deficiente.

Do ponto de vista clínico, o francês passou do coma profundo ao estado mínimo de consciência. Vincent Lambert fixa coisas e segue-as com o olhar, pode sorrir ao ver um familiar e até é capaz de gestos espontâneos e voluntários.

De acordo com o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, suspender a hidratação e a alimentação deste homem não viola os direitos europeus.