Um abrigo de animais na Geórgia, EUA, lançou um programa de adoção - o «Lucky Dog» - e enganou várias pessoas, prometendo não matar os seus animais, em troca de 75 euros. No entanto, muitos animais foram abatidos em vez de adotados, escreve a Reuters.

Lowanda «Peanut» Kilby, ex-diretora do abrigo, vai ter de responder em tribunal por cerca de 60 crimes. Entre eles roubo, roubo por engano, extorsão e, ainda, uso indevido de fundos.

Um dos principais motivos que levava os donos de animais a recorrer ao Boggs Mountain Humane Shelter era o facto de este não mandar abater os animais. Bastava pagar a caução. Mas a realidade era outra.

Às vezes, os proprietários dos animais recebiam emails e cartas a dizer que estes tinham sido adotados, mas na verdade, já estavam mortos.

O ministério público começou a investigar o caso após a divulgação de uma reportagem na estação de televisão de Atlanta, «WAGA».

No início da investigação, Kilby foi afastada do centro e este passou a ser gerido por um grupo sem fins lucrativos. Nessa altura, numa entrevista à «WAGA», Kilby, negou as acusações. Após ser confrontada com um caso concreto, justificou a morte do animal com o seu «coração fraco».