O Wikileaks está a oferecer 50.000 dólares (44.000 euros) por imagens de vídeo e outras informações sobre o bombardeamento levado a cabo pelos EUA ao hospital dos Médicos Sem Fronteiras, em Kunduz, no Afeganistão, no qual morreram 22 pessoas.

É a terceira vez que o WikiLeaks oferece uma recompensa deste género, com recurso a crowdfunding.

O anúncio é feito no site do Wikileaks, que refere que está a angariar o dinheiro para obter as filmagens, o áudio, o relatório de inquérito e outros materiais relevantes.

“A AC-130 [arma utilizada no bombardeamento] grava os ataques com alta resolução. De acordo com os procedimentos militares, esta filmagem deve ser guardada com o áudio do cockpit”


Até agora, 12 pessoas contribuíram, num total angariado de 2.400 dólares (2.126 euros).

O presidente norte-americano já tinha anunciado uma investigação interna ao ataque e pediu desculpas aos Médicos Sem Fronteiras.