O vice-Presidente norte-americano, Joe Biden, telefonou, esta quarta-feira, ao Presidente da Ucrânia, Petró Poroshenko, que o informou da «implicação direta da Rússia no conflito» depois de confirmado o lançamento de morteiros contra forças ucranianas a partir do lado russo da fronteira.

«Os dois líderes expressaram a sua preocupação pelas declarações russas que sugerem um papel dos "pacificadores" russos na Ucrânia, enquanto continua o rearmamento militar da Rússia na fronteira» aos rebeldes pró-russos, refere a Casa Branca em comunicado.

Petró Poroshenko, reafirmou o seu «compromisso de evitar baixas civis e minimizar os danos colaterais na missão de restaurar a lei e a ordem no este da Ucrânia», uma situação sobre a qual ambos os líderes também discutiram a possibilidade de uma solução pela via diplomática.

Recentemente os Estados Unidos e a União Europeia aumentaram as sanções contra Moscovo dada a falta de vontade do Governo de Vladimir Putin de colocar fim aos confrontos entre separatistas russos e ucranianos.

Questionado sobre o efeito das sanções, o Presidente Barack Obama disse hoje não poder ainda avaliar os efeitos das medidas, mas explicou que há indícios de que estão a funcionar porque a economia está estagnada e não em crescimento, exemplificou.

Por outro lado, acrescentou, Vladimir Putin sabe que pode resolver o problema pela via diplomática reconhecendo também a Ucrânia como um país soberano, salientou Obama.

Numa reação às sanções impostas pelos Estados Unidos e União Europeia, Vladimir Putin proibiu hoje, por um ano, a importação de produtos agrícolas, matérias primas e alimentos dos países que subscreveram as sanções.