O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou esta segunda-feira a saída da administração do secretário de Estado Rex Tillerson, indicando que escolheu o diretor da CIA, Mike Pompeo, para assumir a pasta da diplomacia norte-americana.

O anúncio de Trump foi feito através da rede social Twitter: "Mike Pompeo, diretor da CIA, vai ser o nosso novo Secretário de Estado. Vai fazer um trabalho fantástico! Obrigado ao Rex Tillerson pelo seu serviço".

Na mesma mensagem na rede social, o presidente norte-americano acrescenta que Gina Haspel, nomeada subdiretora da CIA em fevereiro, vai passar a liderar a agência, lembrando que esta é a primeira vez que uma mulher é escolhida para estar à frente dos serviços secretos dos EUA.

Mike Pompeo irá assumir a liderança do Departamento de Estado norte-americano alguns dias depois do inesperado anúncio de um possível encontro, de contornos inéditos, entre Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un. O local, a data e outros aspetos deste encontro ainda estão por determinar.

Quanto aos motivos que estão na origem da demissão, Trump invocou desacordos com Tillerson sobre o dossiê nuclear iraniano.

Quando se observa o acordo sobre o programa nuclear iraniano, penso que é horrível, Tillerson pensa que está bem. Nós entendíamo-nos bem, mas tivemos desacordos", explicou Trump, nos jardins da Casa Branca, antes de embarcar de helicóptero para a Califórnia.

Donald Trump assegurou ainda que a sua forma de pensar "é similar" à do até então diretor da CIA.

Com Mike Pompeo, temos uma forma de pensar similar. Tem uma energia tremenda, um tremendo intelecto, estamos sempre na mesma onda. A nossa relação é realmente boa", afirmou.

Tillerson não sabe porque foi despedido

Rex Tillerson garantiu não ter falado com Trump antes de ter sido despedido.

O secretário de Estado não falou com o presidente esta manhã e ignora as razões, mas ele reconhece que serviu a causa pública e continua a pensar que servir é uma tarefa nobre", afirmou um responsável pelo departamento de Estado.

Rex Tillerson, que tinha iniciado na semana passada o seu primeiro périplo pelo continente africano, decidiu na segunda-feira encurtar esta viagem e antecipar o regresso a Washington. A equipa de Tillerson disse na altura que o representante tinha encurtado em um dia a permanência na Nigéria devido a "trabalho urgente" em Washington.

Em dezembro de 2016, a escolha de Rex Tillerson, então presidente-executivo do gigante petrolífero Exxon Mobil com ligações reconhecidas ao Kremlin, para liderar a diplomacia dos Estados Unidos gerou controvérsia.

Sem qualquer experiência diplomática ou governativa, Tillerson foi apresentado ao mundo como próximo do presidente russo, Vladmir Putin, e do Kremlin.

O próprio chegou a confessar ter ficado “boquiaberto” quando Trump lhe fez o convite para liderar o Departamento de Estado e admitiu que só assumiu a pasta porque a mulher o convenceu.