No "vale tudo" da reta final da campanha para as eleições norte-americanas de novembro, volta a estar na mira dos Republicanos, a ideia de que a opositora estará doente. Sendo certo que, do lado Democrata, também há fortes reservas sobre a sanidade do septuagenário Donald Trump.

Com Hillary Clinton, um novo episódio ocorreu segunda-feira, durante um comício em Cleveland, no estado do Ohio. A candidata desatou a tossir e lá conseguiu seguir em frente com uma graçola.

Cada vez que penso em Trump fico alérgica", gracejou Hillary, recebendo os aplausos dos seus apoiantes.

O momento registado por várias estações de televisão que seguem a campanha de Clinton, caso da CNN, foi de imediato aproveitado pela campanha do opositor Donald Trump.

Kellyanne Conway, a chefe da campanha Republicana, usou o canal Twitter para retorquir e lembrar que, desde dezembro, a candidata evita os jornalistas.

Deve ser alérgica aos media. FInalmente gastou um minuto com eles", escreveu Conway.

Jornalistas a bordo

Na mira da chefe de campanha esteve o facto de, finalmente, o avião que leva Hillary de cidade em cidade passar a incluir jornalistas dos principais meios de comunicação. Pela primeira vez, ao longo dos últimos 17 meses.

Voltarei e falarei convosco mais formalmente, mas apenas vos queria dar as boas vindas a bordo", disse Hillary aos jornalistas que a acompanham no avião Boeing 737.

Até ver, cumpriu a promessa e falou com os 42 jornalistas que a acompanham a bordo, sentados na parte de trás do avião. Lá disse não se querer distrair com rumores sobre o seu estado de saúde e reafirmou, noutro nível, a necessidade de ser criada uma zona sem sobrevoos na Síria.