Um jovem afro-americano foi morto a tiro pela polícia no quintal dos avós, em Sacramento, na noite de domingo para segunda-feira, em circunstâncias que estão a causar indignação no país.

De acordo com o The Washington Post, Stephon Clark, de 22 anos, morreu depois de ser baleado 20 vezes por dois polícias, a quem pareceu que o jovem estava armado e que depois verificaram que o rapaz só tinha o telemóvel nas mãos.

As autoridades defendem-se dizendo que receberam um telefonema a alertar que Clark tinha sido visto a partir as janelas de três carros no bairro. Na quarta-feira à noite, a polícia de Sacramento divulgou vídeos com imagens de um helicóptero policial e das câmaras de corpo dos dois polícias. Nas imagens, Stephon Clark é visto a pular cercas para chegar à casa em que vivia com os avós e os dois filhos. Os polícias começam então a persegui-lo a pé até ao quintal dos avós antes de se encostarem à parede da casa.

Num dos vídeos, os agentes pedem ao jovem que levante as mãos. Depois de gritarem "mostre-me as suas mãos! Arma! Arma! Arma!", os dois polícias disparam 20 tiros, dez cada, sobre Stephon Clark .

Nenhuma arma foi depois encontrada no corpo da vítima, apenas o smartphone que os polícias tinham julgado ser uma arma apontada na direção deles.

A avó de Stephon Clark conta que estava dentro de casa quando os tiros foram disparados e que o viu com um iPhone. Sequita Thompson interroga-se por que razão o neto foi baleado.

Ele estava no lugar errado à hora errada, no próprio quintal? Tudo o que eu ouvi foi 'pan, pan, pan’ e atirei-me ao chão, abri a cortina e ele estava ali, morto. Eles não tinham motivos para fazê-lo. Eu disse aos polícias: ‘Vocês são assassinos, assassinos, assassinos’", afirmou a mulher ao jornal The Sacramento Bee.

Stephon Clark tinha dois filhos pequenos, de um e três anos.

Os dois agentes envolvidos no caso estão de licença remunerada enquanto a investigação determina o que aconteceu.

O mayor de Sacramento, Darrell Steinberg, apela à população que não tire conclusões precipitadas.

Com base apenas em vídeos, não posso julgar as decisões rápidas dos nossos agentes e não o farei", afirma o autarca.

 

O comportamento da polícia foi denunciado no Twitter, inclusive pelo movimento "Black Lives Matter": "Nikolas Cruz [o atirador de Parkland] matou 17 pessoas, feriu 17 e a polícia deteve-o com calma. [...] Stephon Clark estava no seu jardim com o seu smartphone na mão, a polícia pensou que ele tinha uma arma e disparou contra ele 20 vezes”.