O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou, esta segunda-feira, que a coligação internacional vai intensificar a luta contra o Estado Islâmico (EI) na Síria, mas avisa que a luta contra os terroristas não será rápida.

Obama diz que os EUA têm de fazer mais para prevenir ataques do EI à escala global, bem como o financiamento da organização.

Segundo a agência Reuters, não existem planos para enviar mais tropas para combater os jihadistas, mas Obama deixou a garantia que os EUA e os seus parceiros vão conseguir derrotar o EI.

Barack Obama diz que o país vai continuar a enviar armamento para as forças que lutam contra o EI, e que mais soldados vão ser treinados para enfrentar os jihadistas.

“Estão a surgir mais voluntários sunitas. Alguns já estão a ser treinados e podem ser uma nova força contra o Estado Islâmico. Vamos continuar a acelerar a entrega de armamento fundamental, incluindo armas antitanques, às forças iraquianas. (…) E deixei claro que vamos fazer mais para treinar e armar a oposição moderada na Síria”.


O presidente dos EUA diz que é igualmente fundamental prevenir ataques em solo norte-americano, assim como o recrutamento de novos seguidores do EI.

“Temos de reconhecer que o EI tem sido eficaz a recrutar pessoas vulneráveis em todo o mundo, incluindo nos Estados Unidos”, acrescentou.