O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que visita Havana na próxima semana, prometeu aos dissidentes abordar diretamente a questão dos direitos humanos com o Presidente cubano, Raul Castro, numa carta publicada no domingo.

Obama disse às Damas de Branco – um movimento de oposição fundado por viúvas e mulheres de dissidentes e presos políticos cubanos – compreender a sua luta, numa carta datada de 10 de março e publicada ‘online’ pela organização três dias depois.

“Eu compreendo perfeitamente os obstáculos que os cubanos enfrentam no exercício dos seus direitos”, escreveu Barack Obama.

Obama anunciou em fevereiro que ia visitar Cuba este mês. Será a primeira vez que um Presidente dos Estados Unidos visita a ilha caribenha em quase 70 anos.

As relações diplomáticas entre os dois países foram restabelecidas no ano passado, depois de terem sido cortadas em 1961, na sequência da subida ao poder de Fidel Castro.

Obama termina o seu segundo mandato em menos de um ano e quer solidificar a aproximação entre os dois países, antes de uma eventual mudança de rumo na política externa norte-americana. A decisão histórica de Obama já foi criticada por dois candidatos republicanos à presidência dos Estados Unidos. Ted Cruz e Marco Rubio, ambos descendentes de emigrantes cubanos, estão contra qualquer visita, enquanto cuba estiver sob controlo de um regime comunista.