Até agora, a candidata do Partido Democrata tem vindo a minimizar a questão dos emails, mas numa entrevista, terça-feira à noite ao canal ABC, Clinton decidiu assumir responsabilidade pelo episódio, que lamentou.

“Foi um erro. Peço desculpa e assumo responsabilidade.”

A oposição republicana tem sido muito crítica, considerando que tal atitude pode ter comprometido a segurança do país, e exigiu mesmo que fossem tornadas públicas as comunicações que Hillary Clinton manteve a partir da sua conta pessoal.

Atendendo aos pedidos, em maio o departamento de Estado desclassificou cerca de 300 mensagens, a maioria relativa ao atentado contra locais do Consulado dos Estados Unidos em Bengazi, na Líbia.

No final de agosto, o Departamento de Estado norte-americano publicou 7.000 páginas de correio eletrónico enviadas ou recebidas por Clinton, durante o mandato de secretária de Estado.